Cuidados com as crianças durante a época de virose

07/11

por Escola Pecompê

Estamos na época de muitos espirros, dor de garganta, tosse e nariz escorrendo entre as crianças. As estações intermediárias (outono e primavera) são mais favoráveis para as temidas viroses, “ites” e outros quadros que tiram o sono de muita gente em casa. Muitas vezes, o que parece um resfriado esconde outra doença, nem sempre fácil de identificar.

E para nos ajudar a entender melhor o que fazer nestas situações, conversamos com o pediatra e pneumopediatra dr. Gil Frank Borges Ribeiro Reis, formado há 26 anos e responsável pela saúde de muitos alunos da Pecompê.

Ele explicou que nesta época do ano é comum o surgimento das seguintes doenças virais: roséola (provoca pequenas manchas vermelhas na pele); catapora (bolhas vermelhas na pele); herpangina pelo herpes (causa lesões e úlceras na boca); coxsakiose (a doença da mão, pé e boca); laringintes virais (parainfluenza 1, 2 e 3, que causa infecção do trato respiratório inferior); e escarlatina bacteriana (infecção de garganta acompanhada de manchas na pele).

“Todas as vezes que ocorre mudança de estação é comum a circulação de vírus respiratórios”, explica o médico, lembrando que no outono-inverno, as temperaturas mais baixas e o confinamento favorecem os quadros.

Entre os fatores que levam os pequenos a adoecer também em períodos com temperaturas amenas ou altas, como a primavera, dr. Gil frisa que os próprios hábitos dos menores de 5 anos – que levam objetos às mãos e à boca de forma frequente –  aumentam a exposição aos agentes infecciosos. “Por isso as crianças adoecem mais”, reforça.

Outra situação que merece atenção é o clima seco, condição que, de acordo com o pediatra, favorece o ressecamento das vias respiratórias e diminui as defesas naturais locais. “Quando isso ocorre, é importante fazer uma boa hidratação (beber líquido) e lavar as narinas com solução salina”. Alguns sinais de que o clima seco está afetando nossa saúde são: sangramento nasal, dor de garganta frequente e irritações nasal e ocular.

Para que as crianças passem bem longe desses quadros, dr. Gil tem algumas orientações: “Na infância, é muito importante adequar o comportamento da criança à sua idade, eliminando chupeta, mamadeira e fralda no tempo indicado pelo pediatra. Também é preciso atenção especial com a higiene da criança, alimentação e estar com as vacinas em dia”, alerta o especialista.

Tudo isso, sem esquecer de tratar os casos que desencadeiam ou agravam as doenças respiratórias, como refluxo gastroesofágico, asma, rinite, deficiências nutricionais e outras.

Estima-se que até os 3 anos de idade, uma criança normal sofrerá de 7 a 10 vezes infecções respiratórias por ano. O número diminui bastante a partir do terceiro ano.

Vale lembrar que em casos de doenças contagiosas, os responsáveis devem procurar o pediatra da criança e solicitar a liberação da mesma, por escrito, para voltar a frequentar a escola, eliminando o risco de contágio às demais crianças.

Vamos cuidar bem e sempre da saúde dos nossos pequenos!

A Escola Pecompê de Educação Infantil funciona há 18 anos em Santos, sob o comando das irmãs pedagogas Paula e Patricia Barbato. Adota o sistema de ensino Dom Bosco by Pearson e prioriza o aprendizado com recursos lúdicos, a alimentação saudável e educação aliada aos valores. Recebe bebês a partir de 4 meses e crianças até 5 anos.

Funciona na Rua Álvaro Alvim, 98, Embaré

Informações: 3273-2223

www.facebook.com/escolapecompe

VEJA MAIS POSTOS QUE VOCÊ PODE GOSTAR

Você conhece a educação em permacultura?

Brincar: verbo imperativo para uma criança feliz