Desmame: tudo sobre meus erros e acertos

20/02

A pergunta que eu mais recebo é “Ju, e o desmame?”. Vou contar pra vocês tudo sobre meus erros e acertos. Assista o vídeo!

O desmame aconteceu!

Gente, o desmame aconteceu! Êba!!!! E acho muito importante vir aqui falar com vocês sobre isso, já que nós conversamos sempre sobre todas as fases que eu tenho vivido com na minha aventura maternal. Amo compartilhar e trocar experiências com outras mães, isso me deixa sempre feliz!

Como o DESMAME começou?

Quando a Anne Liv tinha 1 ano e 7 meses, com a ida para a escola as mamadas ficaram mais espaçadas. Quando chegava o fim de semana, ela mamava intensamente tudo que não havia mamado durante a semana hahaha.

Confesso que isso foi ficando muito cansativo pra mim e mesmo sendo uma mãe que sempre quis amamentar, mas foi chegando perto dos 2 anos e queria muito desmamar.

Em alguns dias eu ficava extremamente irritada, cansada e percebi que muitas vezes ela queria mamar simplesmente pelo acalento e não pela alimentação. É importante que os dois lados estejam bem e no meu caso, eu não estava mais confortável em amamentar.

Comecei a contar pra Anne Liv que ao chegar aos 2 anos, ela não precisaria mais mamar, porque o leitinho acabaria e que a missão de mamar estaria completa. A minha mãe também contava pra ela que eu mamei todo o leitinho e que acabou e fui dando colo e ombro, muito carinho independente de ser um momento de amamentar ou não.

Preparar esse território foi muito importante! Ela saber que teria fim foi crucial e ajudou muito, de maneira consciente e saudável pra ela que é criança e pra mim também, enquanto mãe criando um diálogo com a minha filha.

O que não ajudou no DESMAME?

Agora, vou contar o que não deu muito certo nessa história. Afinal, nem tudo são flores! Eu li sobre o DESMAME GENTIL, super me identifico e quis adota essa linha. Só que eu sou gentil demais hahahahahaha. Alguém aí, tá comigo nessa?

Quando a Anne Liv completou 2 anos logo entrou no período de férias e aquelas mamadas que eram mais espaçadas antes de dormir e às vezes ao acordar cedinho, voltaram com força total. Ela me via e logo queria mamar, se dependesse dela, ela mamaria até os 10 anos. E com isso tivemos um retrocesso no DESMAME!

Voltei a ficar irritada e a Anne Liv também, ela queria mamar direto e quando eu tentava conversar, ela chutava, chorava e não conseguia lidar com as emoções dessa nova fase. Fiquei tensa! Só quem é mãe de primeira viagem sabe o desespero de tentar controlar uma situação com amor e paciência e não saber lidar, tinha momentos que a vontade era chorar junto com a Liliu.

Durante uma conversa com minha amiga Karla, ela citou um outro lado da psicologia infantil que menciona a experiência do desmame abrupto menos traumatizante e até mais seguro para algumas crianças. Então eu fui em busca de outras teorias e o Universo que sempre sabe quando eu preciso de ajuda, viu minha batalha e em seguida recebi um convite de viagem à trabalho.

Viajei para Londres

Fui à Londres e fiquei fora por 5 dias sozinha! Comemorei e ao mesmo tempo eu suei de nervoso. Fiquei cheia de questionamentos, mas fui!

Gente, ela ficou super bem e até mil vezes melhor do que eu imaginava. Não pediu pra mamar antes de dormir e não sentiu muito a minha falta porque sempre tinha alguém dando atenção, levando ela pra brincar e passear. Foi incrível como ela ficou bem!

Quando eu voltei a primeira coisa que ela fez quando me viu foi pedir pra mamar! Sentei e conversei com ela, falei que o leitinho havia acabado e que agora ela não precisava mais mamar.

Incentivei bastante o fato de que ela poderia comer outras coisas e beber também, isso ajudou. Quando foi necessário, eu ofereci um pouco de leite de castanha e ela tomou. Isso já tem mais de um mês, mas vira e mexe ela olha pra mim e fala “mamãe, quero mamá” e começa a rir, eu entro na vibe e começo a rir junto porque ela já sabe que acabou.

Sempre pergunto se ela está com fome ou sede, ofereço lanchinhos e continuo dando muito carinho porque acredito que o desmame precisa ser amigável e saudável pra mãe e pro bebê.

Moral da história

O desmame aconteceu da forma como eu menos esperava. Comecei de um jeito e terminei de outro, tive erros e acertos, mas no final das contas acredito que não tenha uma fórmula pro jeito certo de desmamar. O que existe são maneiras de você tentar fazer de modo que seja viável pra você. São muitas teorias, mas na práticas é tudo diferente! E se eu puder deixar algo sobre a minha experiência de forma geral, é que: Deu certo! Ela está bem, mas não aconteceu como estava nos meus planos!

Não se cobre tanto querendo entrar numa caixinha de experiências maternas perfeitas. Isso não existe! E esse tipo de expectativa, gera em nós muita frustração. Eu sei como é isso desde o meu parto!

Busque um profissional da sua confiança e converse sobre isso, mas tenha o seu espaço, se permita descobrir se você está pronta! Entenda o que é o melhor pra você e se você está se sentindo segura.

Se você já passou pelo desmame ou se está entrando nessa fase, deixa nos comentários o seu relato, quero muito saber como tá sendo pra você mais essa aventura do mundo incrível da maternidade. Obrigada por estar aqui, lendo o meu relato também!

VEJA OUTROS POSTS QUE VOCÊ POSSA GOSTAR

Ansiedade de Separação: Brincadeiras que ajudam o seu bebê nesta fase!

5 dias longe da Anne Liv

DESMAME GENTIL: COMO E QUANDO FAZER

Um beijo grande no seu coração!

Com amor,

Ju