DICAS PARA ESTIMULAR O BEBÊ A ENGATINHAR

02/10

Engatinhar é um marco na vida de um bebê, até das mamães e familiares, nunca vou me esquecer desse primeiro momentinho e quero compartilhar com vocês! Nesse vídeo em parceria com o Kinedu, também vamos falar dos estilos diferentes de engatinhar, dicas para incentivar seu bebê e também sobre o que fazer quando isso não acontece! Para mais dicas, baixe o Kinedu 100% grátis aqui.

Engatinhar é um marco de desenvolvimento que costuma acontecer entre oito e dez meses, mas lá pelos 6 meses muitos bebês já manifestam o desejo de se movimentar. Eles se arrastam, rolam, começam a demonstrar novas habilidades para se mexer e sair do lugar. Aqui em casa tudo começou com Liliu passando da posição sentada para quatro apoios. No início ela jogava o corpo para frente, esticava os bracinhos, como quem quisesse avançar. Ou quando ela estava deitada de bruços, ela rolava e dali começava a rastejar.

Quando ela foi aprendendo e de rastejar, passou a de fato engatinhar, notei que estava engatinhando diferente da maneira convencional. Ela esticava uma perna e puxava o outro joelho, e assim ia avançando. Fiquei intrigada, até um pouco preocupada, às vezes bate umas dúvidas na maternidade. Nessa horas eu gosto de consultar informação de qualidade e recorri aos artigos do Kinedu sobre o tema, além das brincadeiras e atividades para engatinhar que são muito eficientes e divertidas. Ufa! Por lá descobri que existem estilos de engatinhar, nunca tinha ouvido falar sobre isso!!! Quero muito saber de vocês mamães, tias, madrinhas, como se um bebê por aí anda estiloso pra engatinhar?!

ESTILOS DE ENGATINHAR | Qual é o do seu bebê?

  • “O clássico”: seu bebê move um braço e o joelho oposto para frente simultaneamente.
  • “Urso”: Parece a forma tradicional de engatinhar, mas seu bebê mantém os cotovelos e os joelhos esticados, caminhando sobre as mãos e os pés como um urso.
  • “O caranguejo”: ele dobra um joelho e estende a perna oposta para avançar (Liliu é minha caranguejinha aqui haha)
  • “A barriga”: seu bebê move seu corpo para frente enquanto arrasta sua barriga contra o chão.
  • “Rolando”: seu bebê rola de um lugar para o outro – afinal, quem precisa engatinhar quando rolar pode levá-lo aonde você quer ir?

Curioso né, gente?! Mais um motivo para a gente sempre se lembrar que cada bebê é único e tem seu jeitinho de aprender, seu ritmo e seu tempo! E a verdade é que de uma forma ou de outra, eles estão se desenvolvendo. Engatinhar não só trabalha a coordenação motora grossa – que tem a ver com a movimentação dos membros, ligada a engatinhar, andar, saltar, correr – como a coordenação motora fina também, pelo apoio das mãos e dedinhos no chão. Além disso engatinhar também ajuda no balanceamento do peso corporal, fortalecimento de músculos, equilíbrio e estabilidade.

E não para por aí, engatinhar traz benefícios em outras áreas do desenvolvimento, acredita? A gente as vezes pensa que é só um marco prévio a andar… que nada! entre os benefícios cognitivos estão: coordenação bilateral, noção de espaço, capacidade de resolução de problemas, por exemplo, se houver um obstáculo no caminho, o bebê precisa decidir o que fazer. E isso tudo também desenvolve a autoconfiança, autoconsciência corporal, independência, etc.

Entre as brincadeiras que a gente fez aqui que ajudaram bastante nessa fase tem a dica bem simples de colocar um brinquedo chamativo fora do alcance do bebê, para que ele se sinta encorajado a alcançar, se mexendo, rastejando e, eventualmente, engatinhando. E uma brincadeira sugerida pelo Kinedu é a de escalar a montanha! Eu coloco o brinquedo atrás de mim ou de um dos meus lados, e vou observando e encorajando Liliu a alcançar passando por cima de mim ou em volta. Sempre válido dizer mensagens positivas ao bebê, comemorar quando ele consegue algo novo ou até explicar que tudo bem em não conseguir ainda, que ele está no caminho, que está indo bem e que você se orgulha do emprenho dele!

Mas e o bebê que não engatinha ou não engatinhou?! Tá tudo certo também, não há motivos pra se preocupar. O que pode acontecer é o bebê não ter tanto senso de direção ou reflexo de queda, de conseguir se apoiar diante de um tombo… Anne Liv é uma que me deu dúvidas se ia de fato engatinhar, porque ela ama ficar em pé e caminhar com nossa ajuda pela casa, ela não se cansa rs. Como foi por aí, quero saber da experiência de vocês!!!

O Kinedu tem um montão de conteúdo para ajudar nós mamães e familiares no desenvolvimento dos bebês! Espero poder te ajudar com esses vídeos e se você ainda não conhece o app, baixe grátis aqui pelo link abaixo!

BAIXE O KINEDU

Beijos com amor,

Ju e Anne Liv

publicidade