Minimalismo | Primeiras Transformações

21/09
Minha transformação começou há mais tempo do que vocês sabiam dela. Ter feito aquele vídeo sobre Crise Existencial foi um reflexo de mudanças que já estava vivendo e sentia necessidade de compartilhar com vocês. De lá pra cá coloquei em prática uma série de planos e ajustes para alinhar o que acredito ao que vivo. Ter uma vida com mais congruência, propósito e escolhas mais conscientes, esse é o caminho que escolhi trilhar. Hoje vou te contar como venho fazendo essas mudanças e quero saber sobre as suas também!

 
O minimalismo que eu falo é baseado no essencial, naquilo que tem sentido para você, que agregue valor ao seu dia a dia e que simplifique seus processos, tornando sua vida mais significativa, com mais qualidade. Há quem acredite que minimalismo é ter o menos possível, na minha visão, não tem como dar um número para aquilo que é tão particular como sua própria vida. Somente você, e ninguém mais, pode saber o que é útil, necessário e essencial. Aquilo que faz sentido para mim, pode ser que não faça para você. Diria que esse estilo de vida tem muito a ver com autoconhecimento, você passa a descobrir e entender o que precisa de verdade. Seja na sua alimentação, nos seus bens, no que preenche sua agenda e até no que preenche sua mente.
 
É tão comum que a gente leve um tempão para assimilar que mudou, algo mudou, a gente mudou, uma fase passou. Por muitas vezes me vi repetindo comportamentos que começaram a não fazer tanto sentido, mas repetia no ‘modo automático’ e isso foi me gerando um estranhamento com o tempo. Sabe quando você sente que tem algo fora do lugar? No fundo, passei a perceber que eu tava fora do lugar. Como? Eu tava caminhando para longe do meu habitat, onde residem meus valores, minha essência, meus sonhos, minha criança livre que sempre sonhava com coisas lindas. Vou te explicar nos tópicos abaixo como eu me sentia e como eu dei um jeito de buscar no autoconhecimento – e na quebra da zona de conforto – as respostas que precisava para voltar a mim mesma, me reencontrar.
 
 
FADIGA DA DECISÃO
 
Processos Complicados. Atraso. Confusão Mental.
 
Se identifica com algum desses exemplos? Eu costumava me identificar com todos, na verdade, com todos juntos. Quando falo de processos, me refiro a tudo o que faz parte da rotina do dia a dia, da hora em que acordamos até a hora em vamos dormir. Toda vez que ia sair, era um arsenal de pequenos procedimentos que, juntos, viravam uma bola de neve:
 
“toma banho, mil cremes, escolhe a roupa, mil roupas, maquiagem, um monte de camadas e produtos, aí não gosta da roupa e lembra daquela blusa que ia ficar melhor. Não acha a blusa, cade a blusa? Bate uma irritação. Vê o relógio, o tempo passou rápido demais e não terminei de fazer meus mil contornos. A blusa sumiu, a irritação vem mais forte Espera, tenho que levar a roupa do treino, uma toalha, ah esqueci de fazer isso antes, o coração tá acelerado. O tempo passou de novo, vou gravar tutorial, tenho que separar um brinco bacana. Primeiro deixa fazer a mala da academia, terminar a vigésima camada de rímel. Olha a hoooora, sai correndo, chega correndo, começa tudo correndo. Putz, esqueci o brinco do tutorial… mas é só um brinco, penso eu”.
 
Só que nessas você pode esquecer coisas muito mais importantes, coisas que fazem realmente diferença. Uma delas é esquecer de você mesma, esquecer de quem tá do seu lado, esquecer de viver o momento, esquecer de RACIOCINAR. Eu parecia um robozinho, um dia, olhei pra mim mesma e disse. Não quero mais viver assim, não quero viver correndo contra o tempo, perdida em meio a processos complicados e tomadas de decisões exaustivas. Chega da Fadiga da Decisão, como diria minha lindeza Melodia Moreno.
 
Entre mil cosméticos, comecei a escolher os que realmente quero usar, baseada na fórmula, na qualidade, na experiência que ele me proporciona. Pronto, escolhi os cosméticos NECESSÁRIOS, vou usar cada um até o final. Os próximos tem que esperar. Se eu tiver um monte de produtos, vão estragar. Preciso fazer boas e conscientes escolhas, o excesso pode ser muito mais útil para outras pessoas, pode ser presente para uma amiga, desapego para as leitoras, pode ser doação a uma instituição que precisa da minha ajuda. Menos coisas, menos processos complicados, menos atrasos, menos confusão mental. Esse era meu grande objetivo e coloquei em prático. Sou e vivo muuuuuuito mais leve. Te garanto que sou mais pontual, mais afiada nas escolhas e não gasto energia com decisões – que hoje considero secundárias e quem sabe banais – como escolher o ‘look do dia’ ou qual base vou usar hoje. Na verdade, to usando o mesmo BB Cream há 2 meses e ele tá chegando no final, uhuuuu, posso começar um novinho agora e vivenciar os benefícios dele sem pressa.
 
 
AQUI E AGORA
 
Presença. Foco. Intenção.
 
Comecei a reparar nos meus próprios hábitos, nos comportamentos recorrentes e no que me deixava estressada. Constantemente esquecia coisas. Isso me deixa muito chateada, por mais que fizesse anotações, programasse despertador, pedisse pra me lembrarem. Simplesmente continuava esquecendo. Quando alguém falava comigo eu pedia para repetir, não prestava a devida atenção. Vivia com a cabeça cheia de coisas e, na verdade, tava é meio vazia de intenção e consciência. Foi quando comecei a meditar, levar mais a sério algo que sempre gostei, mas fazia de vez em nunca. Usei a meditação para voltar ao eixo, eu tava completamente fora de órbita, queria estar mais presente no aqui e no agora, queria desenvolver meu foco, minha atenção e minha intenção plena com aquilo que fazia, que pensava e que falava.
 
Quando a gente fica nesse ciclo amortecido por preocupações, fadiga da decisão, pressa e estresse, vamos nos distanciando do momento presente. Ele passa, a vida passa e você parece que não estava ali. O relógio parece correr e você revida correndo contra ele. As conversas se tornam superficiais, porque no fundo você tá pensando em outra coisa. Os encontros aparecem nas suas fotos e redes sociais, só que você nem deu atenção de verdade para quem estava lá com você. Um pouco disso tudo aconteceu comigo e vejo acontecendo diariamente, não se limita a um grupo específico de pessoas ou a alguma faixa etária, tem sido uma hipnose comportamental bem extensa. Meu coração aperta por todas as vezes em que saí apressada da casa da minha mãe ou não tava 100% dedicada a uma conversa enquanto ela estava lá 100% ouvidos ao meu lado. Sim, minha mãe é um exemplo fora dessa curva. Confesso que se tivesse me espelhado mais nos comportamentos dela, teria sido mais fácil. Bom, mais fácil nem sempre é o caminho, não é?! Especialmente quando se fala em aprendizado, muitos vem dos nossos erros e das vezes em que precisamos dar com a cabeça na parede sozinhos. P.S. não que você precise bater a cabeça, tá?! rsrs
 
Tá aí mais um aprendizado, não lamento por não ter sabido antes. Não se culpe por não ter feito diferente. Quantas vezes a gente não precisa viver para aprender. É bem aquele caso do ‘eu te avisei, hein?!’… só que quando falam pra gente, nem sempre é o suficiente para que se absorva, para que se entenda. Viver é o maior aprendizado. Como sair da faculdade cheio de conceitos, teorias e aprender mesmo na prática do mercado de trabalho. Nem sempre é assim, mas ao meu ver e ao meu viver, quando eu realmente tive uma experiência, tive um grande aprendizado. Por isso eu digo, de coração, olhe pra você, pros seus comportamentos, analise o por quê. Aprenda com seus atos, aprenda a cada dia uma forma de ser a melhor versão de você mesma. Para isso, é necessário olhar pra você, para o que se fala o que se faz, especialmente, como você reage. Quando a gente age, de certa forma, isso foi premeditado, foi pensado. Quando a gente reage, pode ser que venha como um reflexo do seu espado interno, isso reflete como você é naquele momento. Mas como você quer ser? Mais calma, mais presente, mais consciente? Então busque formas de ser assim na sua vida e não em determinados momentos. É super possível desenvolver isso dentro de você. Vivendo o aqui, o agora, com mais foco, mais intenção em seus atos, palavras e pensamentos, você se torna uma pessoa mais viva e menos um robozinho. Você usa mais seus sentidos, você absorve mais os momentos, as mensagens, amplia seu aprendizado, seu estado de consciência. Diria que você se mantém mais equilibrado, menos estressado, você pensa com mais clareza e tem capacidade de tomar melhores decisões.
 
 
COMO SE TORNOU MEU DIA A DIA
 
Mais tempo. Mais satisfação. Mais leveza.

Desde que me propus eliminar os excessos, marquei meu Bazar beneficente em duas edições – online e físico, que aconteceu em Santos no dia 03/09/2016 – e a partir daí, fiz uma revolução no meu closet e, inclusive, na casa da minha mãe que ainda tinha um armário inteiro de roupas, sapatos e acessórios, mesmo depois de 1 ano de casada, morando em outro apartamento.
 
Olha só quantas vezes a gente vai vivendo sem questionar a maneira como se tem feito isso. Um armário cheio de roupas boas e sem utilização alguma. Tava lá, apenas existindo e só mudou quando eu resolvi questionar tudo o que não fazia sentido na minha vida. Não fazia sentido me embananar pra me vestir todos os dias, me complicar para me embelezar sendo que me sinto superbem como sou de um jeito mais natural. Mas a gente esquece, a gente vai se acostumando a usar mais, consumir mais, acumular mais, sem raciocinar, simplesmente no modo automático. Ta aí a oportunidade de sair da zona de conforto e questionar suas escolhas. Claro que para cada um de nós, isso se manifesta numa fase da vida, numa idade diferente ou, de repente, nem se manifeste.
 
Eu escolhi acordar para a vida e repensar um montão de coisas, não tenho vergonha de expor nada disso pra vocês, muito pelo contrário, não me sinto superior ou mais evoluída… eu simplesmente estou mais consciente e acho importante dividir isso como uma forma de inspirar a quem também busque esse caminho de consciência. Eu jamais vou impor alguma ideologia, meu papel é dividir com vocês minhas vivências e meus aprendizados… são experiências pessoais e não necessariamente lições vida. Há quem vá se identificar, há quem vá se inspirar, como há quem vá me chamar de doida ou radical, como já aconteceu. Só digo que somos responsáveis por nossas escolhas e fiz a minha diante dos meus valores, diante do autoconhecimento que adquiri nos últimos anos e que me fez abrir os olhos para um universo de novas possibilidades, muito mais alinhadas com meu propósito de vida.
 
Espero que daqui surjam alguns insights para você! Seja na maneira como você come, compra ou pensa. Para que você preencha seu dia a dia e sua vida, com aquilo que realmente vale a pena para você, com aquilo que te faz bem, te faz feliz!
 
Deixa nos comentários onde você gostaria que eu me aprofundasse, já que os assuntos da vida são intensos e profundos… vai ser uma alegria compartilhar mais pensamentos com vocês. Vivendo e aprendendo, né?! Obrigada por serem minhas companheiras, leitoras, ouvintes. Gratidão por você dedicar um tempo do seu precioso dia para estar aqui comigo.
 
Beijos com amor,
 
Ju