Nutrição | Lei da Cantina Saudável

19/06
por Dra. Ingrid Seiler Prior*

A Lei da Cantina Saudável, instituída em 2005, regulariza os serviços alimentícios dentro das escolas de educação infantil, ensino fundamental e médio, tanto da rede pública quanto da rede privada de ensino. Segundo ela, a cantina escolar deverá ser administrada por pessoa devidamente capacitada em aspectos de alimentação e nutrição relevantes para o exercício do comércio de alimentos destinados à população infanto-juvenil.

A cantina oferecerá para consumo, diariamente, pelo menos uma variedade de fruta da estação in natura ou na forma de suco. E a adição de açúcar, quando solicitada pelo consumidor, não poderá exceder a dois saches de 5 gramas por porção de 200 ml. Além disso, fica proibida a comercialização dos seguintes produtos:

– Balas, pirulitos, chicletes, biscoitos recheados;
– Refrigerantes e sucos artificiais;
– Salgadinhos industrializados;
– Frituras em geral;
– Pipoca industrializada;
– Alimentos industrializados cujas calorias provenientes de gordura saturada ultrapasse 10% das calorias totais;
– Alimentos com gordura vegetal hidrogenada.

Essa proibição estende-se inclusive aos ambulantes localizados próximos às escolas! Ademais, as escolas deverão adotar, em sala de aula, conteúdo pedagógico sobre os seguintes temas:

– Alimentação e Cultura;
– Refeição balanceada, grupos de alimentos e suas funções;
– Alimentação e mídia;
– Hábitos e estilos de vida saudáveis;
– Frutas, hortaliças: preparo, consumo e sua importância para a saúde;
– Fome e segurança alimentar;
– Dados científicos sobre os malefícios do consumo dos alimentos cuja comercialização é vedada por esta lei.

E a escola do seu filho, respeita a Lei da Cantina Saudável?

*Artigo escrito pela colunista Dra. Ingrid Seiler Prior | Nutricionista especialista em Fisiologia do Exercício pela Universidade Gama Filho e em Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Federal de São Paulo. Docente do curso técnico de Nutrição no Colégio Marquês de Olinda.    

Foto: Reprodução