Nutrição | Óleo de Coco

20/11
por Dra. Ingrid Seiler Prior* 

O óleo de coco surgiu como um novo suplemento alimentar no combate à obesidade, e desde que o Globo Repórter mostrou seus benefícios, virou febre. Veja alguns deles:

·         Redução do apetite;
·         Aumento da saciedade;
·         Auxílio no processo de emagrecimento;
·         Redução da gordura abdominal;
·         Redução dos níveis de glicemia, triglicérides e LDL (colesterol ruim);
·         Aumento dos níveis de HDL (colesterol bom);

Este óleo tem em sua composição de 70 a 80% de gordura saturada na forma de ácidos graxos de cadeia média. Contudo, pelo fato dessa gordura ser absorvida rapidamente pela veia porta hepática, sua ingestão crônica pode levar à esteatose hepática (fígado gorduroso).

Ademais, o óleo de coco não deixa de ser uma gordura, e por consequência é bastante calórico. Ou seja, se a pessoa já está acima do peso e acrescenta algumas cápsulas ou colheres do óleo na dieta sem a devida orientação, ela tenderá a ganhar peso. Além disso, a gordura saturada é considerada uma gordura ruim para o nosso organismo pois é responsável por elevar o LDL, que pode levar a problemas cardíacos.

Para concluir, acho importante ressaltar que deve-se desconfiar de qualquer tipo de “modismo” apresentado pela mídia, que infelizmente nem sempre está preocupada em passar informações baseadas em estudos científicos. O ideal é que se procure um profissional da área antes para se certificar de que aquele produto fará bem a você ou não. Não existe milagre, existe determinação e vontade de alcançar um objetivo.

*Artigo escrito pela colunista Dra. Ingrid Seiler Prior | Nutricionista especialista em Fisiologia do Exercício pela Universidade Gama Filho e em Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Federal de São Paulo. Docente do curso técnico de Nutrição no Colégio Marquês de Olinda.