Por que sentimos dores musculares após o treino

13/12
por Edu Nogueira | Educador Físico
 
Quando fazemos qualquer atividade física de alta intensidade, nosso corpo sente o efeito direto desse treino e estamos sujeitos a dois tipos de dores musculares: uma “dor imediata” que limita o movimento, pois o músculo está fadigado, fadiga essa causada pelo acúmulo de lactato (ou ácido lático) nas fibras musculares, porém logo metabolizado pelo organismo. O outro tipo de dor ocorre após a sessão de treino. Essa dor é conhecida como Dor Muscular de Início Tardio (DMIT), ou simplesmente, “dor do dia seguinte”.

A DMIT aparece, geralmente, após 8 horas do término do exercício, alcançando sua intensidade máxima entre 24 e 72 horas (dependendo da magnitude do esforço), e podendo, em casos mais extremos, persistir por até 7 dias.

Durante a atividade física, nossos tecidos musculares sofrem micro-traumas, pequenas lesões nos músculos (aqueles que sofreram ação direta), e como resposta do próprio organismo, é gerado um processo inflamatório proporcional à intensidade exercida e, como consequência, edemas e dores.

Como resposta fisiológica, os músculos reconstituem-se reparando os danos sofridos. Esse processo de reconstrução torna-os mais fortes e maiores que antes, o que chamamos de hipertrofia. Todo esse processo é natural, independente se a pessoa é treinada ou não. Dependendo do exercício, todos “sofrem” as ações fisiológicas da mesma forma.

Sempre que houver alterações na intensidade, no volume, no estímulo, ou seja, no treino propriamente dito, nosso corpo sentirá essa mudança de comportamento e as dores aparecerão.

Portanto, quando você treinar e após o seu treino sentir as “dores do dia seguinte”, significa que o seu corpo está em processo de regeneração muscular.

Foto: Reprodução