VOCÊ SE PERMITE RECEBER AJUDA?

11/03

Você precisa de ajuda e sabe disso. Sabe que algumas pessoas podem fazer isso por você. Mas será que você sabe receber ajuda de verdade?

Já falamos sobre entender o que se quer, sobre deixar claro ao outro o que se espera dele e agora eu te pergunto. Você sabe mesmo receber ajuda? Você se permite ser ajudado? Esse é nosso tema da vez e espero poder te ajudar!

As reflexões que trago para vocês são baseadas, na maioria das vezes, nas minhas experiências pessoais. São vivências do dia a dia que rendem um momento de pausa e, consequentemente, uma pausa para refletir. Agora com a maternidade, mais do que nunca, os desafios do dia a dia tem rendido novas formas de pensar e de ver a vida. Então cá estamos, pra falar de mais uma questão que pode fazer tanta diferença em nossos dias e nossas relações.

Me percebi em meio a um turbilhão de novas emoções, cheia de novos afazeres com a maternidade. Nessas horas a gente dá um baita valor para ajuda, eu pelo menos tenho dado. Seja um colo para a bebê de um parente ou amigo, para eu tomar um banho mais caprichado. Seja o papai trocando algumas fraldas por dia e dividindo outras tarefas. E nessas de trocar fraldas me peguei no pulo rs como diria o ditado.

Marido estava lá trocando a fralda da Anne Liv, quando eu fui dar uma olhadinha se tava tudo bem. E geralmente nessas horas nos falta o voto de confiança de deixar o outro em paz, fazendo o que tiver que ser feito. Vamos lá e fazemos o que? Apontamos algum defeito na tarefa, na forma como a pessoa a executa, ou queremos que ela simplesmente passe a fazer do jeito que a gente quer ou ‘acha certo’.

Resultado disso? Não damos o espaço que o outro precisa, invadimos a situação, reprimindo, criticando, julgando ou reprovando. Imagine isso a médio e longo prazo. Só afasta o outro e a ajuda que ele pode dar. Eu percebo que isso se aplica bastante a vida cotidiana dentro de casa, ou até no trabalho. Fazemos isso com nossa família, com o colega na mesa ao lado, até acabamos dando pitaco na vida do outro e na maneira como ele a leva. Poxa vida! Sei que não costuma ser por mal e quase nunca é pra falar a verdade. Mas isso afasta a ajuda que precisamos e cria uma situação delicada.

Eu me vi fazendo isso e quase que na mesma hora senti que havia invadido o espaço e a ajuda do meu próprio marido. Ele mesmo disse… você não quer ajuda? É assim que posso ajudar. É assim que eu sei fazer e estou dando meu melhor. Fato! Quanto mais espaço se dá, mais receptivos somos, quando mais o outro pode fazer por nós, mais confiança ele ganha. É na prática mesmo. Nós, sabendo ser ajudados. E as pessoas a sua volta, podendo praticar o ato de ajudar.

No vídeo converso bastante sobre isso e espero poder acender uma luzinha aí em relação a isso!

Conversar de fato ajuda, então comenta aqui como você se sente sobre esse tema e a forma como você gostaria de ser ajudado e pode ser permitir mais receber ajuda!

Você já conheceu meu aplicativo Zen? Nele temos novas Meditações Guiadas toda semana. A meditação dessa semana é ótima para você que busca tratar a ansiedade. Baixe o Zen para Android ou iPhone clicando AQUI ou na imagem abaixo:

OBS: Você já viu que o Crica lançou seu blog? Lá tem conteúdo sobre nutrição, autoconhecimento, empreendedorismo e paternidade 🙂