Relacionamento de casal após dois filhos

19/07

Enfim chegou aquele papo sobre relacionamento de casal depois dos filhos. 

Vamos comentar os principais pontos, entre desafios, aprendizados e acertos da nossa relação e esperamos poder te ajudar! 🧡 

Como fica o sexo após os filhos?

Sexo após o primeiro filho

Com alguns casais, a líbido tende a cair após o nascimento do primeiro filho (referência), mas comigo e com o Crica foi diferente. No nosso caso, melhorou. 

Nós dois como indivíduos, eu como mulher e o Crica como homem, estávamos muito mais seguros de si. Além disso, o momento da vida também estava fluindo muito bem. 

Então para a gente, depois do primeiro filho, melhorou bastante. Nós estávamos se apreciando mais juntos por estarmos nos apreciando mais individualmente. 

Sexo após o segundo filho

Com o segundo filho, entra a questão de tempo e disponibilidade. Você pode estar em um momento bom como casal, mas na prática fica diferente. 

Ficamos muito mais cansados com a nova dinâmica. Tanto que eu me lembro que quando eu e o Crica não éramos casados, e eu pensava “estou cansada”, e eu nem sabia o que era cansaço mesmo!  

Se torna um desafio encontrar um tempo, porque estamos sempre em uma atividade, como a Liliu voltando da escola, fazer comida para o jantar, dar banho nas crianças. 

O tempo que sobra é quando eles dormem, mas a Liliu as vezes vem dormir no nosso quarto de madrugada e o Liam acorda inúmeras vezes ao longo da noite. 

Já conseguimos encontrar essa dinâmica algumas vezes, mas quando a Liliu não estava em casa. Afinal, um bebê só dormindo é mais tranquilo. Mas ainda assim, é silencioso. 

Lembra que eu comentei que o Liam tem o som bem leve no artigo “Segundo filho: as diferenças entre eles”? Ou seja, além de ser um desafio, ainda precisamos ser contidos. 

É só uma fase, e vai passar!

Vale lembrar que é momento da vida. 

Essa é uma fase de ter nosso bebê com a gente e viver essa experiência. Ou seja, “tá valendo”, como disse o Crica no vídeo acima. 

As vezes o casal pode se cobrar em relação ao sexo, porque para algumas pessoas isso tem uma medida maior. No nosso caso, nós não medimos o sucesso do nosso relacionamento através do sexo. 

Referência para mim é se a gente dá boas risadas juntos ou se estamos muito estressados. E não tem certo ou errado, você precisa saber o que importa para você. 

É importante fazer um balanço do relacionamento. Às vezes o casal não está se curtindo e está desconectado, e começa a achar que a relação acabou. Então escolhe apenas uma coisa que está em baixa, como a falta de sexo, e tira como conclusão que esse é o motivo.

Se a comunicação entre casal não está boa, você terá menos relacionamento amoroso. E se você olhar só para isso, não estará olhando para o real problema. 

Conheça seu parceiro e se comunique

Todo problema que acontece no nosso relacionamento é quando nos distanciamos da comunicação um com o outro. 

Quando o Crica se fecha, por exemplo, eu tenho que abrir essa barreira e “vamos conversar?”, porque quando ele está com algum problema, ele tende a se fechar. E eu sei que não é problema comigo ou que ele não quer falar comigo, mas sim ele está vivendo o turbilhão dele. 

Por isso é importante saber como o parceiro se comporta nos momentos mais difíceis para a gente conseguir acessar e ajudar. 

Cada um no relacionamento vai ter um comportamento nos momentos desafiador. Eu, por exemplo, fico mais irritada e acabo dando patada. Nesse ponto, a auto observação é o caminho para você voltar a ter um relacionamento de qualidade em todos os aspectos. 

A melhor qualidade no relacionamento vem de uma boa comunicação, de carinho, de amor, de respeito”, como disse o Crica, e também de ser ouvida e vista. Para mim, é importante me sentir ouvida. 

Às vezes o Crica está trabalhando, com a cabeça no trabalho, e eu preciso conversar. No primeiro momento isso me deixa irritada, mas eu penso, “como eu posso me comunicar diferente?”.

Com o passar do tempo, nós acabamos tendo atitudes que não vão ajudar, então eu preciso entender minha comunicação nos momentos que eu não estou recebendo a atenção que eu quero. 

Sempre que possível, dedique um tempo para seu parceiro, só para ficar junto. Por exemplo, para mim faz muita diferença quando eu consigo comer junto com o Crica. 

Quanto mais conseguimos ser transparente, mais resultados conseguimos ter. É importante comunicar o que não gostamos, mas não deixe de comentar as coisas que você gosta também!

Prefira falar “amor, me espera que eu amo almoçar com você” do que “eu odeio quando você começa almoçar sem mim”. Isso tem muito a ver com a comunicação não-violenta nos relacionamentos, que é um tema que eu gosto muito. 

É uma constante construção. Não existe um relacionamento linear, que vai ser sempre equilibrado. Não existe um ser humano linear, imagina dois, ou mais. 

Vai ter dias que um vai estar mais para cima, e outro mais para baixo. Vai ter dias que os dois vão estar para baixo. Os desafios são multiplicados. Não espere que o relacionamento seja linear e esteja sempre às mil maravilhas. O relacionamento possível para mim é aquele que os dois, ainda que um esteja para cima e outro para baixo, conseguem ter um canal de comunicação. Para quem está em cima, levar o outro.

É preciso ter carinho e cuidado, um apoiar o outro, um levantar o outro, respeitar o momento do outro. Às vezes, o fato da gente estar ali, não significa que o outro vai voltar para o equilíbrio dele. Isso pode levar meses também! 

É importante lembrar que você escolheu estar com aquela pessoa, você não tem nenhuma obrigação de estar com aquela pessoa. Se você escolheu estar no relacionamento, você precisa buscar recursos e ferramentas para fazer aquele relacionamento funcionar. 

Se você não quer estar nesse relacionamento, é melhor você sair, pois você estará machucando a outra pessoa e a si mesmo. Separações e términos são duros, mas às vezes preserva o respeito que um tem pelo outro. 

Dicas práticas para relacionamento do casal

  • Caso seu quarto seja compartilhado com os filhos, explore outros cômodos
  • Ter outros contatos físicos, como abraços e massagens
  • Surpreender no dia a dia com pequenos laços afetivos

Gostou de saber um pouco mais sobre o relacionamento de casal após o nascimento dos filhos?

Leia também: Minha rotina de treino depois dos filhos e Educação emocional: como ajudar seu filho a lidar com as próprias emoções