AMOR E PROTEÇÃO | A pandemia atrapalhou a vacinação por aí? Tá na hora de retomar!

08/10

Conta pra mim: carteirinha do filhote está em dia? Se tem um assunto que gera confusão entre as famílias, sem dúvida é a vacinação. Quando o bebê nasce, um novo mundo de cuidados e proteção se abre, e com ele, um calendário extenso de vacinas que mal sabemos para o que servem. 

Por exemplo, você já conheceu alguém que contraiu coqueluche, poliomielite ou difteria? Provavelmente sua resposta foi não. E que bom, não é mesmo? A redução do aparecimento dessas doenças representa o sucesso da vacinação. Por outro lado, muita gente não teve contato com essas doenças e desconhece a gravidade delas, bem como a importância de manter a vacinação em dia1. 

Quanto menos pessoas estiverem vacinadas, a tendência é que estas doenças voltem. É o que aconteceu com o sarampo, que reapareceu no Brasil em 2018, apenas 2 anos depois de sermos reconhecidos pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) como um país livre da doença. Desde então, o país registra surtos de sarampo resultantes da diminuição dos índices de imunização2. E esse cenário pode se agravar, já que um levantamento realizado pelo IBOPE Inteligência para a campanha #MaisQueUmPalpite revelou que 29% das famílias adiaram a vacinação dos filhos após o surgimento da pandemia3.

Acontece que, nesses tempos de tanta informação, desinformação e fake news, pode ser complicado saber onde encontrar informações de qualidade sobre vacinação e saúde infantil. Sabendo que muitas mães podem estar confusas com os palpites que escutam por aí, eu me uni à campanha Mais Que Um Palpite (adicionar link www.maisqueumpalpite.com.br) para te trazer informações fresquinhas e seguras, de quem mais entende de saúde infantil: o pediatra.

Conversei com o Dr. Renato Kfouri, que é infectologista e presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (www.sbp.com.br) para falar sobre a importância de manter a carteirinha de vacinação dos pequenos sempre atualizada. Vem conferir!

Atrasei a vacina do meu filho. E agora?

Agora é colocar em dia o mais breve possível, pois a vacinação é a principal estratégia de proteção contra doenças infecciosas graves. Sabemos que o sistema imunológico tem a capacidade de se lembrar das ameaças já combatidas e, por isso, a vacinação é tão importante: é uma forma segura de preparar o corpo de criança para enfrentar uma doença4. 

Deixá-las sem a vacinação aumenta o risco de infecção por doenças perigosas, como meningite meningocócica, pneumonia pneumocócica, o sarampo e a poliomielite. Se houver atraso na vacinação, a carteirinha deve ser atualizada o quanto antes4.

A vacinação não é somente uma proteção individual, é um pacto social. Quando nos vacinamos, estamos protegendo também quem não pode se vacinar. Existem pessoas que não podem receber determinados imunizantes – o ato de vacinar é também por elas. E claro, somente com a vacinação podemos seguir controlando as doenças infectocontagiosas4.

As vacinas são seguras? Existem vacinas que podem causar doenças?

Nunca houve tanto interesse pelo desenvolvimento e produção das vacinas. E as notícias falsas não contribuíram para tranquilizar pais e mães. As vacinas são seguras e protegem, pois seguem critérios técnicos rigorosos e passam pela aprovação de agências reguladoras como a Anvisa4.

A maioria das reações são geralmente as que conhecemos: uma febre baixa, um pouco de dor no local da aplicação. É muito mais provável adoecer gravemente por uma enfermidade evitável pela vacinação do que sofrer de alguma reação causada pela vacina5. A meningite, por exemplo, tem um tempo de incubação curto e pode matar em 24 horas6. E outras doenças não ficam atrás: a poliomielite pode causar paralisia, enquanto o sarampo pode causar cegueira5.

Carteirinha de vacinação em dia, mesmo em pandemia

O isolamento social imposto pela pandemia contribuiu para o atraso na vacinação dos pequenos3. Mas, protegê-los da Covid-19 e deixá-los expostos a doenças que são perigosas, especialmente para os bebês e as crianças, não é a estratégia mais segura. 

Sendo bem sincera, eu também deslizei neste aspecto. A pandemia começou quando eu ainda estava no puerpério, e a insegurança de expor a Liliu e o Liam resultaram no atraso de algumas vacinas. Mas com um puxão de orelha muito saudável da pediatra, retomei a vacinação deles, seguindo todos os protocolos. 

E o Dr. Renato expôs alguns pontos fundamentais para acabar com esse medo e atualizar a carteirinha das crianças, mesmo em pandemia:

  • As unidades de saúde e clínicas particulares estão preparadas para fazer a aplicação das vacinas seguindo os protocolos contra a Covid-19;7
  • Quando chegar ao local de vacinação, mantenha o distanciamento social e não tire máscara; 7
  • Lembre-se que a vacinação é um serviço essencial, assim como ir ao supermercado e à farmácia. Ela não deve ser ignorada7. 

Aqui você encontra #MaisQueUmPalpite 

A campanha #MaisQueUmPalpite empodera pais e mães com informações confiáveis desde 2018. Você pode acompanhar conteúdos exclusivos nos canais da campanha e ficar por dentro dos principais temas sobre a saúde dos pequenos. 

Agora que você já sabe a importância de proteger seu filho, mantendo a carteirinha em dia, não tem mais desculpa para bobear e atrasar a vacinação, combinado?

Beijos com amor,

Ju 

#publicidade

Referências 

  • Revista Pesquisa Fapesp. As razões da queda na vacinação: Ao menos nove fatores contribuem para a redução na imunização infantil e aumentam o risco de doenças graves ressurgirem. Edição 270. Agosto de 2018. Disponível em <https://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2018/08/018-024_CAPA-Vacina_270.pdf>. Acessado em 05/08/2021.
  • Sociedade Brasileira de Pediatria. Guia Prático de Atualização. Atualização sobre sarampo. Nº5, julho de 2018. Disponível em <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/21170c-GPA_-_Atualizacao_sobre_Sarampo.pdf>. Acessado em 06/05/2021.
  • IBOPE Inteligência. Pesquisa “Impacto da Pandemia nos Lares Brasileiros: Como as Famílias Estão Lidando Com a Nova Realidade” 2020.
  • BALLALAI, Isabella; BRAVO, Flavia (Org.). Imunização: tudo o que você sempre quis saber. Rio de Janeiro: RMCOM, 2016. Disponível em: https://sbim.org.br/images/books/imunizacao-tudo-o-que-voce-sempre-quis-saber-200923.pdf. Acessado em 30/07/2021.
  • OPAS/OMS Brasil. Imunização. Disponível em https://www.paho.org/pt/topicos/imunizacao. Acessado em 30/07/2021.
  • Meningitis Research Foundation. Meningococcal Meningitis and Sepsis. Guidance Notes. Diagnosis and Treatment in General Practice. 2018 edition UK. Disponível em: https://www.meningitis.org/getmedia/cf777153-9427-4464-89e2-fb58199174b6/gp_booklet-UK-sept-16 [Acessado em Setembro de 2021]
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA, SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário vacinal da criança e a pandemia pelo coronavírus. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/nt-sbpsbim-calendariodacrianca-pandemiacovid-200324.pdf. Acessado em 30/07/2021.